Próximo Anterior

DE CARONA PARA O FIM DO MUNDO

Thais Zago Thais Zago 23 agosto, 2016
De Carona para o Fim do Mundo

Em abril de 2015 e com esse lema em mente, dois amigos saíram de Curitiba com destino à Ushuaia, cidade mais austral do mundo localizada na Argentina. Brian Baldrati e sua amiga Patrícia Schussel levaram 30 dias para chegar até lá, viajando de maneira totalmente não convencional: sem planos, de carona e sem nenhum centavo no bolso!

A única certeza que tinham era que cada carona e cada noite de sono seriam uma surpresa! Teve carona em caminhão, em carro, em barco, na caçamba com cachorros, com cimento, com frutas, com vinhos, com brasileiro, argentino, chileno, paraguaio, francês, russo e até com um romeno! Chão da casa do carona, salinha de caminhoneiros, barraca em posto de gasolina, sofá onde dorme o cachorro – esses foram alguns dos locais onde dormiram.

11159560_811303862293179_6996477839924907926_n

O que mais marcou a viagem foram as incontáveis pessoas que os ajudaram por todos os lugares que passaram. Segundo relato da Pati para o blog Mochilando:

A ideia não era apenas fazer tudo sem dinheiro, mas sim dando nosso voto de confiança pra esse tal de ser humano que anda meio mal falado ultimamente e, olha só, parece que deu certo!

ushuaia-de-carona-aventura-dicas-de-viagem

Para inspirar você a sair de casa e pegar a estrada rumo ao extremo sul da América do Sul, selecionamos algumas dicas do Brian e fotos tiradas pelos dois ao longo do caminho, publicadas no post dele no blog:

Foram quase 40 dias, rodando mais de 6 mil quilômetros com a ajuda de 30 caronas diferentes.

11168010_811742345582664_7136915657601474766_n

Depois de passar alguns dias em El Calafate, segui até o Glaciar Perito Moreno, um parque que fica a aproximadamente uma hora e meia de carro da cidade de El Calafate. A principal atração do parque são as várias e diferentes passarelas com vista para o incrível e gigantesco glaciar. A dica é separar um dia inteiro para curtir esse espetáculo da natureza. Se você quiser andar sobre o glaciar, será preciso reservar o passeio antes, na cidade de El Calafate. #ficadica

Processed with VSCOcam with s3 preset

Outra parada indispensável na Patagônia Argentina é El Chalten, a capital mundial do trekking. Para mim, esse foi o lugar mais bonito que visitei durante a viagem. Foram quase sete dias por lá e muitos registros de tamanha beleza natural.

11248252_821844671239098_2809140509556403419_n

Por fim, cheguei a Ushuaia, localizada na beira do Canal de Beagle. Conhecida como “fim do mundo”, a cidade é a mais austral do mundo e foi o meu último destino… dessa viagem!

11165221_815267251896840_4688920422854264440_n

E você, pronto para pegar carona também? Então leia a entrevista exclusiva que o Brian deu para o nosso blog!

Qual foi o maior perrengue da viagem?

Foi o dia que fomos para a estrada por volta das 10h30. Já estávamos na Patagônia, fazia muito frio e o vento era constante. Para começar, tivemos que andar uns 30 minutos até chegar à saída da cidade. Digamos que até aí estava tudo bem, porém nesse dia acabamos não levando comida para o almoço e não encontramos lugar para comer na estrada, a única coisa que tínhamos era um pouco de sucrilhos, que acabou em minutos. Demorou muito para conseguirmos a primeira carona, nisso nosso nível de stress já estava bem tenso (haha). Ficamos no mesmo lugar por 4 horas até aparecer alguém, que foi só depois das 15h00. Resumindo, o moço que nos deu carona nos convidou para passarmos a noite na casa dele, porém com uma condição: ele tinha um restaurante e precisava que a Pati trabalhasse no lugar de uma garçonete que havia faltado naquele dia. Nós obviamente topamos! Chegamos ao restaurante por volta das 19h30 e a fome já era grande, mas fomos ¨almoçar¨ apenas quando o restaurante fechou, às 01:30 da madrugada! Conseguem imaginar a fome que eu estava, né?

Outro perrengue relacionado à comida foi durante um trekking de dois dias que fizemos em El Chalten. Estávamos acampando e deixamos a comida amarrada em uma corda, presa entre duas árvores, para os ratos não comerem. De manhã, deixamos tudo lá e subimos o famoso monte Fitz Roy. Quando voltamos, umas três horas depois, quase caí duro, porque vi tudo jogado pelo chão e quase sem nenhuma comida.

Processed with VSCOcam with s3 preset

Qual foi a acolhida mais inesperada que receberam?

Foi da família da Larissa, em São Borja, no terceiro dia. Durante toda a viagem, fomos postando nas redes sociais o local onde estávamos e para onde íamos, para saber se tinha alguém na região do destino que pudesse nos acolher. Chegamos à entrada de São Borja no horário do por do sol e paramos num posto de gasolina. Pela manhã já tinha postado que iríamos pra lá, passei o dia de olho no celular, mas apenas de noite recebi uma mensagem. Era a Larissa, perguntando exatamente onde estávamos e dizendo que estavam de portas abertas para nos receber. Eu respondi e logo depois ela e sua mãe chegaram no posto para nos buscar. Resumindo a história, ficamos dois dias na casa delas e fomos tratados como reis, eles mostraram toda a cidade e até a plantação e fábrica de arroz da família. No final ainda ganhamos o melhor presente da viagem: uma barraca que salvou nossa vida por muitos dias.

dois-patagonia-de-carona-por-do-sol

AdoroViajar: O que você aprendeu viajando sem dinheiro?

Aprendi que as pessoas que menos tem condições são as que mais ajudam os outros. A viagem provou pra mim que aquela expressão “há certas coisas que o dinheiro não compra” é verdadeira. Muitas pessoas têm sonhos e querem fazer coisas desse tipo, porém acabam se enrolando e deixando sempre pra depois. Outro ponto é que as pessoas sempre falam que não tem dinheiro para viajar e essa viagem é uma prova muito grande de que quando você realmente quer alguma coisa, você vai lá e faz esse sonho virar realidade, mesmo ele não sendo fácil. Obviamente não quero que as pessoas saiam por ai viajando sem dinheiro, mas isso foi uma maneira para provar que é possível viajar sem ou com pouco dinheiro, basta ter força de vontade. Hoje em dia existem diversas plataformas que auxiliam a viajar barato, por exemplo, couchsurfing – em que você fica de graça na casa das pessoas. Outra maneira é trocar experiência de trabalho voluntário por alimentação e hospedagem.

11169179_811411945615704_8956763188441716399_n

11138096_813243182099247_399642500459069392_n

11145030_817600281663537_1566859284317768284_o

Inspirador, não? Esse tipo de viagem é para aqueles que aproveitam a jornada, mais que o destino final! A boa notícia é que o Brian Baldrati é um dos novos colaboradores do nosso blog, em breve você poderá saber mais sobre suas viagens!

Brian também é Guru AdoroViajar! Sua próxima aventura será levar um grupo para o parque Torres Del Pines, no Chile, no Carnaval de 2017.

Deixe seu e-mail abaixo para participar dessa experiência!!

Thais Zago

Thais Zago

Thaís já passou dos 30 anos. Prefere praia à cidade e sossego à badalação. Tem formação em Jornalismo e profissionalizante em Yoga, pós-graduação em Gestão de Negócios e trabalha com Turismo e Mídias Sociais desde 2012. Na bagagem, participou do programa de férias na Walt Disney World Orlando, morou na Califórnia por 1 ano e passou 6 meses mochilando sozinha pela Oceania, China e Sudeste Asiático. É uma das integrantes do projeto Correndo no Mundo, em que percorreu de bicicleta os 800 km do Caminho de Santiago de Compostela, em 15 dias, documentando a aventura e prestando suporte ao amigo que corria. Depois de carregar "a casa nas costas" com essas experiências, aprendeu que menos é mais e que viajar sozinha é bom, mas compartilhar os momentos com outras pessoas é ainda melhor. Adora viajar pelo Brasil, é esportista e aventureira, e pára tudo para assistir um pôr do sol. Sempre que pode, se envolve também com música, fotografia e cinema.

Mais publicações de Thais Zago

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *