Próximo Anterior

O LADO B DE DUBAI

Vicente Frare Vicente Frare 26 agosto, 2016
O lado B de Dubai

Luxo, riqueza, opulência. Essas são palavras comumente associadas a Dubai. Realmente, há muitos hotéis de luxo, restaurantes premiados, lojas de marca e Ferraris nas autopistas. Quase tudo o que se vê é novo, afinal, o emirado não passava de um entreposto exportador de pérolas há poucas décadas. Então veio a descoberta do petróleo, a Revolução Islâmica no Irã, as Guerras do Golfo, o mercado financeiro, o desenvolvimento da China e da Índia e a vontade da família real Al Maktoum de colocar Dubai no centro do mundo, aproveitando-se de cada um desses grandes acontecimentos. Nos últimos dez anos não há quem não tenha visto ou ouvido falar de algo maravilhoso acontecendo por lá. Só que muita gente vai e volta reclamando que achou tudo muito fake e artificial.

Mas Dubai tem um lado B. Um lado para quem gosta de descobrir e explorar algo mais real, com alma local e menos parecido com Las Vegas. São regiões sem o glamour do Mall of the Emirates, mas que dão a verdadeira sensação de estar no Oriente Médio. Podem ser facilmente acessadas pelo moderno metrô, então mãos à obra.

AL SATWA

Senhoras indo às compras em Satwa

Senhoras indo às compras em Satwa

Parada de metrô: World Trade Centre

Vamos começar com algo light. Al Satwa é um bairro residencial que fica logo atrás dos arranha-céus da Sheik Zayed Road, com ruelas, casebres, mini-mercados, kebaberias e mesquitas. É um bairro bem simples, que contrasta com o paredão de aço e vidro no background. Caminhe sem medo em ziguezague pelas ruelas, passe pela Al Satwa Mosque até chegar à Rua 2 de Dezembro, que termina em um enorme mastro com a bandeira dos Emirados Árabes Unidos. Depois do passeio, pode ir se refugiar no conforto e ar-condicionado do Four Seasons Jumeirah Beach, quem sabe para comer um ceviche no restaurante peruano Coya.

JUMEIRAH MOSQUE

A Jumeirah Mosque, uma das poucas que permite não muçulmanos visitarem

A Jumeirah Mosque, uma das poucas que permite não muçulmanos visitarem

Parada de metrô: Financial Centre, mais uma curta corrida de táxi

A mesquita mais fotografada de Dubai fica perto da praia e vários ônibus de turismo passam na frente dela. Mas que tal visitá-la? O programa Open Doors, Open Minds, criado pelo Sheik Mohamed, visa ensinar os turistas um pouco mais sobre o islã e a cultura local. De sábado a quinta as visitas acontecem às 9:45 da manhã e você pode emprestar trajes locais na entrada para tirar fotos bacanas. Mesmo assim, vá vestido modestamente (ombros e pernas cobertos). Depois da visita faça um pit-stop no Lime Tree Café logo ao lado, que serve sanduíches e bolos incríveis e muita gente que mora no bairro vai fazer brunch por ali.

AL JADDAF

A mesquita shiita iraniana próxima a Bastakiya

A mesquita shiita iraniana próxima a Bastakiya

Parada de metrô: Creek (e não Jaddaf, como pode parecer)

Os dhows são barcos rústicos construídos em Dubai que servem para transportar mercadorias entre o emirado e o Irã e Paquistão. Ainda existem alguns estaleiros em meio a muita areia, mas é um passeio rápido e interessante. De manhã cedo as fotos ficam muito bonitas. Não é nada turístico, por isso pode ser que te olhem com curiosidade. Quando bater a fome, pegue o metrô de volta para Dubai Heatlhcare City e vá ao Wafi Mall, um shopping com decoração à la egípcia mas com uma filial do delicioso restaurante indiano Asha’s.

BASTAKIYA, BUR DUBAI e DEIRA

Bastakiya

Bastakiya

Parada de metrô: Al Fahidi (mais 10 minutos de caminhada)

A parte mais histórica de Dubai, em torno da Grande Mesquita e da Corte Real, foi totalmente reformada. As casas com suas torres de vento (que fazem o ar circular para refrescar nos dias quentes) hoje são galerias de arte, hotéis boutique e museus. É outro lugar para caminhar em ziguezague, observando a arquitetura e entrando aqui e ali para fazer visitas. Beba uma limonada com menta na XVA Gallery antes de seguir até o píer de Bur Dubai na beira do Creek para embarcar em um dos inúmeros barcos, as abras, que cruzam esse braço d’água sem parar. É o passeio mais barato de Dubai e um dos mais bacanas.

Uma abra, que cruza o Creek por menos de 50 centavos de dólar

Uma abra, que cruza o Creek por menos de 50 centavos de dólar

Já do outro lado, em Deira, fica o Spice Souk e o mercado de ouro. Se tiver vontade e energia, siga explorando as ruas do bairro, com suas casas de câmbio, lojas de quinquilharias, cafés indianos e gente de todos os cantos do mundo comprando e vendendo mercadorias. Da estação de metrô de Baniyas Square leva cerca de meia hora para voltar para a Dubai do século 21.

Mercado de frutas e verduras em Deira

Mercado de frutas e verduras em Deira

Morei em Dubai entre 2003 e 2006 e vou para lá com certa frequência. Sempre reservo um dia para me perder por Bur Dubai e Deira a fim de beber um copo de massala chai com os indianos, de cruzar o Creek de abra, de comer um kebab com suco de laranja do outro lado em meio à bagunça organizada do bairro. Adoro quando chega a hora da reza e tudo fica mais devagar, com os sons vindo dos minaretes. Não tem como não se sentir longe, muito longe. Contudo, são programas legais de fazer enquanto a temperatura ainda não ultrapassou os 30 graus.

Lojas de sáris indianos em Bur Dubai

Lojas de sáris indianos em Bur Dubai

Vicente Frare

Vicente Frare

Vicente queria ser turista profissional desde criança. Para isso foi aprender idiomas, fez amigos ao redor do mundo através de cartas, os "pen-friends", e, assim que pode, mudou-se para a Suíça para estudar Hotelaria e Turismo. Passou 13 anos vivendo na Europa, Estados Unidos e Oriente Médio onde trabalhou em hotéis, restaurantes, agências de viagem e companhias aéreas. Fala 6 idiomas e se vira em outros cinco. Tem uma mala sempre pronta e nunca diz não para uma viagem, seja para onde for. Já passou por mais de 80 países. De volta ao Brasil, publicou diversos guias de viagem pela sua editora Pulp e agora se dedica ao site TravelVince, com dicas de viagem de grandes cidades ao redor do planeta. Gosta de carimbos no passaporte, de CrossFit e de ver o dia amanhecer.

Mais publicações de Vicente Frare

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *