Próximo Anterior

DICAS E CURIOSIDADES DE MYANMAR

Maria Garcia Maria Garcia 2 fevereiro, 2017
IMG_9867

Um singular recanto do sudeste asiático, que faz fronteira com Tailândia, China, Laos, Índia e Bangladesh. Os tons sobre tons deixam a paisagem ainda mais bonita. O dourado dos pagodes, da roupa dos monges, dos templos, das oferendas para Buda e do nascer do sol destacam o tom laranja das estradas de terra e do “Thanaka”.

Pode até ser que a fé não mova montanhas, mas no Myanmar ela move quase tudo. Cerca de 85% da população é budista, é um país de paz, orações e oferendas. Basta levantar o olhar para ver um pagode, com sua inconfundível cúpula em forma de sino, quase sempre dourada. Tem santuários budistas em todos os lugares – nos campos, nas colinas, na beira dos rios, nas montanhas e nos lagos.Myanmar é também um país de artes, com pinturas, joias feitas com pedras preciosas – como jades, safiras e rubis, sombrinhas de papel desenhadas à mão e roupas de seda. A perfeição do trabalho artesanal com dedicação e atenção, faz de cada peça uma obra-prima.

Myanmar (6)

Esse país comunista já foi colônia britânica e já foi dominado pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial. Passou por uma forte ditadura militar, que começou em 1964, e apenas em 2012 começou a se abrir para o mundo. Deu início às eleições e iniciou um caminho de democracia, beneficiando não só a população, como o mundo todo que pode agora conhecer esse lugar fascinante.

O que fazer em Myanmar

Yangon

O pagode mais venerado é o de Shwedagon, por ter cabelo de Buda, segundo as lendas. Impressiona com sua gigantesca cúpula dourada – com aproximadamente 98 metros de altura, coberto por placas de ouro,  pedras preciosas e um diamante gigante na ponta. Ao chegar, nota-se a relação da população com o local, seja presenciando meditações e oferendas ou passeando com amigos e família, rindo e até festejando. Tudo sempre muito leve e natural.

Bagan, a cidade dos mais de 2 mil pagodes

Imagine uma paisagem infinita, dourada, com mil cúpulas, e no horizonte um entardecer fascinante. Assim é Bagan, um lugar que nos deixa sem fala e sem fôlego. Para chegar lá, pode pegar um ônibus de Yangon ou Mandalay, ambas as cidades possuem aeroportos com voos partindo de Bangkok. Existe também a possibilidade de pegar um trem, mas é menos confortável e mais demorado. O vilarejo já possui uma ampla oferta de pousadas, hotéis, pensões e muitos albergues. O ideal para explorar esse grande parque arqueológico é alugar uma bicicleta por 3 dólares e se perder pelos campos de pagodes.

Imperdível: o nascer e o pôr do sol do alto de um templo e o ritual dos monges pela manhã, onde eles saem em filas para receber as doações. A cidade oferece muitas opções de artesanato local, como vasos de bambu laqueado pintados à mão, sombrinhas artesanais de papel e as pinturas em pano. Sempre é legal comprar algo, mesmo que seja uma lembrança, assim você ajuda o comércio e a população local. Lembrando que Myanmar é um dos países com menor renda per capita do planeta.

Inle Lake (Lago Inle)

Um lago de águas limpas rodeado por montanhas, com mais de 200 aldeias e povoados flutuantes em casas de palafita. Nessas casas vivem os “Intha”, conhecidos como “filhos do Lago”. Os pescadores usam uma técnica curiosa, se equilibram em uma perna na ponta dos barcos e a outra usam para remar. O Lago Inle se tornou um dos lugares mais procurados por viajantes que percorrem Myanmar.

Saindo de Bagan, você pode pegar uma van ou um ônibus até chegar no lago. O caminho rodeia montanhas em uma viagem bem especial e curiosa, observando os povoados e as pessoas do interior no caminho. O valor da passagem de ônibus varia de 15 dólares, saindo de Bagan, até 40 dólares, saindo de Yangon.

Mandalay

É a segunda maior cidade de Myanmar, geralmente por onde chegam os voos internacionais. De lá é fácil ir para qualquer outro lugar do país. Em Mandalay você pode vislumbrar um pouco da pobreza e do caos do país, mas também os sorrisos, as roupas tradicionais e a curiosidade dos habitantes.

Ponte U Bein

A ponte mede 1,2km e foi construída em 1850, sobre o lago Taungthaman. É a maior ponte de madeira do mundo e passagem para muitos pescadores e pessoas locais. Com vista para diversos templos, esse lugar é um espetáculo aos olhos.

Pedra Dourada de Buda

Equilibrada precariamente na borda de uma montanha, uma enorme pedra de granito de 7 metros de altura permanece desafiando a gravidade desde os tempos mais remotos. A rocha virou símbolo e local de peregrinação para os adeptos do budismo. Muitos budistas acreditam que aquele que visitar o templo de Kyaiktiyo e a pedra dourada três vezes durante o mesmo ano, será abençoado com riqueza e reconhecimento de sua bondade.

Curiosidades

Thanaka

Um pó dourado embranquecido, extraído da raiz de uma árvore e usado pelas mulheres e crianças como forma de proteger do sol e se embelezar.

Ouro em Papel

Os budistas costumam colar ouro em papel nas imagens de Buda, como forma de oferenda. A imagem de Mahamuni, em Mandalay, cresceu mais de 20 centímetros com os papéis que foram incorporados por seus seguidores.

Maria Garcia

Maria Garcia

Já morei em mais de 7 países diferentes, viajei pelo Oriente Médio, Bálcãs, África, Europa, America Latina, Ásia. Já fiz viagens de luxo e viagens de mochila, viagens por trabalho ou só por vontade de me jogar no mundo, viagens sozinhas, românticas ou com amigas. Já viajei de avião, ônibus, trem, road trip, carona, barco, cavalo e até camelo. Já me hospedei em hotéis de luxo, hotéis baratos, pensões, hostels, couch surfing, casa de amigos, casa de amigos de amigos, algumas rodoviárias e aeroportos. Estou sempre tentando descobrir os segredos de cada cantinho desse mundo e vou dividir esses segredos e histórias com vocês por aqui.

Mais publicações de Maria Garcia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *